Alckmin se reuniu com dez médicos que integram o grupo técnico da Saúde no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, nesse domingo – Foto: Divulgação

Categorias

“Chegamos à conclusão que a atitude mais imediata que o novo governo deve tomar nos primeiros dias é imunização, é vacina. Uma grande campanha nacional”, disse o vice-presidente eleito após reunião com grupo técnico da transição

 

O vice-presidente eleito e coordenador da equipe de transição do futuro governo Lula, Geraldo Alckmin (PSB), anunciou em coletiva de imprensa nesse domingo (4), após reunião com o grupo técnico da equipe de transição na área da Saúde, que a prioridade do próximo governo na área da saúde será uma campanha massiva de vacinação, com a participação de atletas e artistas.“Chegamos à conclusão que a atitude mais imediata que o novo governo deve tomar nos primeiros dias é imunização, é vacina. Uma grande campanha nacional”, disse. Alckmin lembrou que apenas 12% das crianças de 6 meses a 3 anos tomaram a vacina contra a Covid-19.

 

Alckmin se reuniu com dez médicos que integram o grupo técnico da Saúde no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, onde Lula passou por novo exame de rotina pela manhã desse domingo, para avaliar a situação da garganta.

 

Alckmin disse que a reunião não foi especificamente sobre o orçamento do ano que vem, mas que “os números mostram” que seria necessário em torno de R$ 20 a 22 bilhões a mais do que o que está previsto. “Prioridade sem orçamento é discurso. Prioridade precisa ter recurso”, afirmou.

 

“Porque não tem recurso quase para a Farmácia Popular. Quem tem doença crônica precisa tomar remédio, então é preciso suprir. Essa questão da remuneração do SUS, é preciso verificar os casos mais graves para não inviabilizar o atendimento”, detalhou.

 

Segundo o coordenador da transição, o governo pode contratar a iniciativa privada para ajudar a zerar as filas nos atendimentos. “Há um compromisso do presidente Lula de zerar a fila que se formou durante a pandemia. Então a ideia é fazer um mutirão, inclusive se precisar contratar a iniciativa privada, para poder zerar fila de especialidades, exames e cirurgias”, explicou.

 

Entre os médicos que participaram da reunião estavam Roberto Kalil Filho, que cuida da saúde de Lula há anos e o avaliou nesta manhã, Carlos Roberto Ribeiro de Carvalho, Claudio Lottenberg, Drauzio Varella, Fábio Jatene, Giovanni Guido Cerri, José Medina Pestana, Linamara Battistella, Miguel Srougi e Milton Arruda.

 

Liderado pelo senador Humberto Costa (PT-PE), o GT de Saúde fez um diagnóstico prévio do setor da Saúde e perspectivas para o início do governo.

 

Com informações do Brasil 247

 

0
0
0
s2smodern

Fala operador

Direitos do operador de telemarketing